Solamente Peter

Solamente Peter en portugués: El primer capítulo

 

Algunos de vosotros estaréis informados de que he podido traducir Solamente Peter a la lengua portuguesa. Está nueva versión tiene poco tiempo de vida y ahora toca ir promocionándola para que sea conocida.
Por ejemplo, os voy a dejar el primer capítulo para que lo leáis y compartáis (si os gusta y os apetece) con otros lectores.

 

I
Peter vai às compras
 

Saiu à rua. Peter ficou quieto a meio da porta. Não sabia para onde ir. Olhou para um lado e para o outro sem se decidir. Então, viu-o. Recuou assustado. Devia-lhe dinheiro. Aquele tipo estava a aproximar-se lentamente. Podia voltar a entrar em casa, mas não queria, ele não era um cobarde. Respirou fundo, tapou os olhos com o chapéu, baixou a cabeça e saiu à rua. Dirigiu-se rapidamente na sua direção, sem parar, com alguma sorte… O tal sujeito seguiu rua abaixo. Parecia que não o tinha visto. Peter respirava aliviado, quando se encontrou com Vivian.

—Olá, ia a tua casa —disse Vivian.    
—Olá, então não vás —respondeu Peter.
—Onde vais? Tu nunca usas chapéu.
—Ia… a buscar-te, rapariga. Onde havia de ir?
—Ah! Anda, quero ir comprar um vestido.
—Estás muito gira —disse, olhando à sua volta a ver se não era visto.    
—Eu sei. Mas é segunda-feira.    
—Onde vamos? —perguntou, agarrando-a pelo braço.
—Ao centro —respondeu ela, puxando por ele para atravessar a rua.
Atravessaram, mas a meio do caminho o semáforo mudou de verde para vermelho. Correram para alcançar o passeio da frente e, enquanto o faziam, Peter olhou para trás. Tinha a sensação de que o seguiam. Seguiram juntos até chegar a uns grandes armazéns. Na porta, um porteiro com cara séria não lhes sorriu. Entraram e Vivian dirigiu-se à zona dos vestidos.
Peter seguiu-a.
—Nem penses em comprar alguma coisa rosa —advertiu-a.
Vivian não respondeu e começou a pegar em vestidos, um atrás do outro. Entrou num provador livre e pendurou os vestidos, enquanto Peter procurava um presente para a mãe. Deteve-se diante de um espelho. Continuava a pensar que o Cobrador ia atrás. E não se enganava, pois ali estava. Mesmo por trás dele. Quis gritar, quis fugir, mas não o fez, quem sabe não o tivesse visto. Voltou a olhar para o espelho, o homem sorriu apreciativamente.
“É um sonho”, pensou Peter.    
Mas se o tivesse visto, tinha de fazer alguma coisa. Vivian! Ela protegê-lo-ia. Aproximou-se do provador e vociferou:
—Vivian, vamos já. Já é de noite.    
—Não tenhas pressa. Ainda me faltam experimentar dezasseis vestidos.    
—Se não sais, vou-me embora —ameaçou-a.    
—Só me faltam quinze.    
Peter olhou para um individuo, o mesmo que tinha visto à porta da sua casa, e para o provador. Que devia fazer? Deu uma palmada na testa, tinha tido uma ideia, uma grande ideia. Aproximou-se dos casacos para homem a pegou num, pendurando-o no braço; depois, agarrou numa carteira e caminhou normalmente até uma das saídas. Ao chegar à porta, ouviu-se o som do alarme. Aproximaram-se vários guardas, detendo-o.
—Mas… que se passa? Não roubei nada —disse, enquanto procurava o tipo.    
—Claro, claro —disse um— E eu sou o Pai Natal. Que procura?    
—Nada. Não me levam ao comissariado?    
—Sem pressa, rapaz. Estavas com alguém?
—Sim, ela está no provador.    
—A experimentar o saque, é? Tu —disse a outro dos polícias— Procura-a.    
—Não, ela só veio comigo. Mas então, não me detêm?
—Não nos digas como fazer o nosso trabalho. Vamos lá ver, é a primeira vez?
Peter respondeu fundo, levantou o braço e atingiu com um murro um dos guardas. Este cambaleou, mas não caiu.    
—O quê? Levam-me para a prisão?    
—Morris! Põe-lhe as algemas —ordenou o chefe. Peter estendeu as mãos e sorriu, enquanto o tal Morris o algemava.
—Onde está a rapariga? —perguntou chefe, ao ver que o guarda enviado voltava sozinho.    
—Com o seu pai. É a filha de um dos trabalhadores.
—Vamos! —disse o chefe.    
Meteram Peter num carro-patrulha, acompanhado de dois polícias. Em breve estaria no comissariado.        
O carro seguia pelas ruas, e o mesmo sujeito de antes seguia-os com o seu. Detiveram-se três ruas depois. Os polícias sorriam, felizes. Uma detenção! A primeira desde que tinham começado. O chefe olhava-o, devia dizer-lho. Peter não dizia nada.
—Parabéns! É o ladrão número 10 000 da cidade. Ganhou uma viagem à Califórnia com todas as despesas pagas. Vá, pode ir.
—Para duas pessoas? —perguntou inocentemente.
—Não. Quer arruinar a cidade?
—E a viagem, quanto custa?    
—Que importa isso? Tu não a pagas. Vais ou não?
—Quero saber, é uma mania.    
—Bem, custa uns 2000.
2000? O que devia ao Cobrador mais 3000. Iria para longe, sem vê-lo a ele nem à Vivian.    
—De acordo. Desde que me possa ir agora mesmo.
—Tudo bem. Conduz tu.    
—Mas primeiro tenho de ir a minha casa. Preciso de ir buscar alguma roupa. Depois levam-me ao aeroporto, está bem?
—Onde vive? —perguntaram-lhe.    
—Na rua do Dinheiro, 200 —respondeu.
O carro saiu disparado, demoraram uns dez minutos, e atras, sabem quem?, o Cobrador, com um fato cinzento e o cabelo com caspa. Peter saiu do carro para entrar na sua casa. Recolheu o necessário. Em breve sairia do país. Quando saiu da sua casa, descobriu, aterrorizado, que os polícias não estavam e que o Cobrador estava em frente à porta. Peter olhou para trás.
—Só falta que não possa ir para a Califórnia para ver os guardas em ação —pensou.
Devia ir ao ataque e enfrentar o problema. Respirou fundo e aproximou-se do Cobrador. Este não o viu. Peter aproximou-se dele e disse-lhe:    
—Desculpe, conheço-o?    
—Ah, ah, ah. Sabe o que me deve?    
—Desculpe, mas eu não lhe devo nada. Se não, pergunte aos meus amigos polícias que vêm por ali.    
—Donde? —perguntou assustado, apesar de não fugir.
—Mas… és cego? —perguntou enquanto apontava para a esquerda— Por ali.
O Cobrador olhou nessa direção. Seria verdade, seria mentira, mas o certo é que os viu. Peter, aproveitando o momento, empurrou o Cobrador, atirando-o ao chão com tão pouca sorte que, ao cair, partiu uma perna.
—Adeus! —vociferou Peter, zombeteiro.
Peter olhou para baixo, era a primeira vez que viajava de avião. Na verdade, era a primeira vez que viajava. Até este momento não tinha tido o dinheiro necessário para gastar numa viagem. Aproximava-se um carro da polícia e Peter viu-o. Pelo menos parecia um carro da polícia. Peter esticou-se. Dormiria uma sesta. Recostou-se no seu assento, podia sentir a chegada do sono, como se lhe fechavam os olhos. Não viu a hospedeira que chegava com bebidas até que a teve encima.
—Deseja tomar algo senhor? —perguntou a hospedeira amavelmente.    
—Hã? Que se passa? —perguntou meio adormecido—Ah, não!    
Peter tentou fixar o olhar nas pernas da hospedeira, mas tinha demasiado sono, demasiado… A sua cabeça pendeu para a sua direita e o seu braço tocou no seu companheiro, um homem rechonchudo e feio, com cara de poucos amigos, que o olhava de forma assassina. Grunhiu, mas como se tivesse gritado. Peter estava adormecido e nem um terramoto o acordaria.
—Senhoras e senhores, apertem os cintos, o avião irá aterrar em breves instantes —alguém avisou pelo altifalante.    
Assim fizeram todos os passageiros. O homem gordo teve dificuldades. Peter olhou-o com pena, mas estava ansioso por descer à solarenga Califórnia, um dos seus lugares favoritos do planeta. O avião aterrou sem problemas e as pessoas suspiraram, aliviadas. Peter olhou-os com desdém, enquanto esperava para sair. Chegou a sua vez, depois de uma família com quatro filhos pequenos e rebeldes.
Já estavam na Califórnia. Peter olhou à sua volta, entusiasmado. Como se ia divertir!
Depois de pegar as suas quatro malas, procurou um táxi livre. Havia uns quantos no aeroporto, procurando a sua presa. Aproximou-se de um deles e olhou fixamente para o condutor. Este olhava-se ao espelho enquanto se penteava. Peter bateu na janela, tentando chamar a sua atenção, o condutor parecia não lhe prestar atenção. E não o fazia. Peter insistiu com mais força, tão forte que partiu a janela do veículo. Mas o condutor permanecia inabalável. Peter prostrou-se diante do táxi e olhou fixamente para o condutor.
—A verdade é que não tem boa cara —pensou.
Aproximou-se dele e cheirou-lhe o hálito para ver se estava bêbado. Não, não. Peter recuou, assustado. Estava morto, rígido. Quem o mandava apanhar um táxi com um condutor sem cor? Duvidava. Não sabia se saía discretamente ou avisava um polícia. Olhou à volta e arregalou os olhos. Não podia acreditar no que estava a ver. Era ele, o Cobrador, com os seus cabelos grisalhos, mas desta vez com uma perna engessada. Falava ao telemóvel com o seu chefe. Nunca soubera se era um homem ou uma mulher. Olhou-o aterrorizado. Ele tinha liquidado o condutor, tinha a certeza. Tinha de sair dali antes que o descobrisse. Peter saiu a correr. Começou a empurrar as pessoas, que gritavam em protesto. Mas Peter não lhes prestava atenção. Tinha demasiado medo.
De repente, sinto um calafrio na espinha. O Cobrador corria demasiado. Encontrou um beco e meteu-se dentro de um portão. Fora apanhado. O Cobrador aproximou-se e disse-lhe:    
—Porque é que nunca me sai bem? Aproximou-se demasiado rápido do táxi. Eu tinha que ser o condutor. Compreende? Mas tive que fazer uma chamada, não me agrada sentar-me ao lado de um morto. Percebe, certo? Também se tem sentimentos.
Peter olhava-o com cara de parvo e assentiu de vez em quando, assustado. Tinha que estar louco.
—Agora dê-me o dinheiro —exigiu-lhe.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s